cover art
  • TOCANDO AGORA
Radio Cidade
Radio Cidade

Post

Compartilhe este Post

Homenagem – Renato Russo

Nesta quarta-feira, 27, Renato Manfredini Júnior completaria 59 anos. Mais conhecido como Renato Russo, nasceu no dia 27 de março de 1960, no Rio de Janeiro, filho do economista Renato Manfredini, funcionário do Banco do Brasil e de Dona Maria do Carmo, professora de inglês.

Aprendeu inglês cedo, quando morou, dos 7 aos 10 anos, em Nova Iorque. Uma nova transferência do pai, fez o menino aos 13 anos, se mudar para Brasília. A cidade acabou se tornando a grande marca de suas músicas.

Renato teve uma infância e adolescência de classe média alta. Entre os 15 e os 17 anos enfrentou várias operações e viveu entre a cama e a cadeira de rodas, combatendo uma doença óssea rara chamada epifisiólise. No ano de 78, inspirado na banda de punk rock Sex Pistols, formou o Aborto Elétrico, que no vai e vem de integrantes, contou com participações de Fê e Flavio Lemos (depois do Capital Inicial), Ico Ouro Preto e André Pretorius.

Em 82 abandonou o Aborto Elétrico e passou a fazer trabalhos solos. Neste período ficou conhecido como “O Trovador Solitário“. Quando a lendária “cena de Brasília” já era uma força underground reconhecida, Renato Russo formou a Legião Urbana com Marcelo Bonfá, Eduardo Paraná e Paulo Paulista. Um ano depois, Paraná e Paulista deixavam a banda e entrava Dado Villa-Lobos.

Quando Renato Rocha se juntou a banda em 84, a Legião Urbana já havia se apresentado diversas vezes em Brasília, notadamente nos célebres shows no Circo Voador, no Rio de Janeiro e no Napalm, em São Paulo. O sucesso de seus shows levou rapidamente a um contrato com a EMI-Odeon. No primeiro dia do ano seguinte saiu o primeiro álbum, Legião Urbana, que emplacou os hits “Geração Coca-Cola”, “Ainda é Cedo” e “Será”.

Com seus refrões poderosos e letras que falavam de inseguranças emocionais e de questões da própria geração crescida durante o regime militar, a Legião Urbana bateu fundo nos anseios dos jovens brasileiros.

O eterno ídolo era HIV positivo desde 1990, mas nunca assumiu publicamente a doença. A partir de 1993, Renato andava recluso e arredio, evitando a imprensa. As suspeitas se comprovaram em 11 de outubro de 1996 com sua morte por broncopneumopatia, septicemia e infecção urinária (consequências da AIDS), pesando só 45 quilos.

Estima-se que a banda tenha vendido cerca de 20 milhões de discos no país durante a vida de Renato. Uma verdadeira LENDA!

Por Rádio Cidade